Umav Ozatroz

rimando, aspirando, transformando

Arquivos de tags: aliterações

Roceira

a roceira trajava glamuroso uniforme social
e usava máscara envernizada a civilização
empunhou sua metralhadora e soltou a voz
saiu asneira no surdo grito em meio a barulheira

coadjuvantes insólitos

o terno armani rasgou-se ao catar da calçada o centavo do bolso furado

perdeu um olho mas ganhou invejável corpo ao fazer dieta o caolho gordo

par de olhos tímidos retirou-se para a privacidade de um óculos-de-sol

resmas de papel em revoada acorbertaram a saia que se revoltava

errantes sapatos acertavam os passos rumo a sandálias vagabundas

em círculos pequenos circulava um rumor de que aquela roda não girava bem e tinha tara por pés

o tapete aceitou submisso o suborno da vassoura

duelaram amavelmente até o amanhecer empunhando uma só espada

parede de tijolos passava o tempo com quebra-cabeças no hospício

seu requebrado partiu ao meio o coração enciumado

o colarinho frouxo reclamou ao amigo que, espumando de raiva, matou a sede e as mágoas

o queijo no anzol fisgou quase toda a ninhada daquele mar de merda

uma verve mágica encantava multidões com palavras que a cobiça surda invejava

Inferno

O inverno
Não é quente, é frio
Gemente me penitencio
E hiberno

Postado do WordPress para Android

Sem hora

Amor sem hora
Sem hora pra acabar
Acabar-me agora
Agora com a senhora

Postado do WordPress para Android

Deleites

10 deleites

Tantas gostosuras gorduras
Doces ao paladar matar
Fome sem nome

Frutas suculentas lentas
Saboreadas amada
Frutose em simbiose

Maçãs e peras lambê-las
Fartas delícias maliciosas
Formas sem normas

Pão com manteiga faceira
Faca esfrega se entrega
Derrete e mete

Gostosas leguminosas
Batatas e abóboras desdobradas
Línguas a saboreá-las

Doce de banana gana
Gulosa engole e chupa gole
De caldo de cana

Suado mel menestrel
Toma roubado de belo favo
De abelha trabalhadeira

Chocolate derrete mete
Na boca tão louca
Por melado arremate

Sonhos, bolos, rocamboles acolhe
No coração sabores ja sem chão
Em nuvens colores de doce algodão

Após tantos deleites leite
Preciso derramar amar
Não engordar

Postado do WordPress para Android

Empatia

Cartesianamente
Cartesiana mente
Capta
Mentecapta mente
Que mente

Postado do WordPress para Android

Violeiro

Vilão velejante
Velozmente vento
Assovia
Ventania
Valente veneno
Violão valsante
Vivencia

daqui

Postado do WordPress para Android