Umav Ozatroz

rimando, aspirando, transformando

Arquivos da Categoria: Quadras

Mais uma rodada

Arauto da paz
Pombo voa bem alto
Gavião atrás

 

Sacro uivo lunar
Súplica que, única
Marés faz mudar

 

Dá despedida
Ao coração sem patrão
Vaga perdida

 

Tu és música aos meus ouvidos
Seja quando alegre a cantar
Seja a doçura do teu falar
Ou teus suaves gemidos

 

Triste rosa ultriz
Sem amor foi meretriz
Vida por um triz

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=202213

 

Pra que tanta dor?
Morrer de tanto sofrer?
ou viver o amor?

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=201346

 

Abro uma champagne
Taças borbulham amor
Que o amor nos banhe

 

Queima como o sol
Deságua como a chuva
Fura o arrebol

Fere  a alma desnuda

http://aloamor.blogspot.com/2011/10/encantos-solares.html

 

A poesia está feita
Com ingredientes certos
Segundo boa receita
Agora um pão te oferto

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=202569

 

Aurora

Escuro azul celeste
Folheado pela aurora
Lágrimas nos ciprestes
Luto por sonhos d’outrora

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=202339

 

Estilhaços aturdidos
Jogada abandonada
Montou coração partido
Com ele foi premiada

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=202296

 

Todo anônimo é valente
Tem sangue real na veia
Quando vê perigo à frente
Vira antônimo e bandeia

 

Bela rosa carmesim
Teu perfume me embriaga
Cura todas minhas chagas
Nem espinhos doem em mim

 

Jardineiro essa rosa tem
Sempre atento a ervas daninhas
Com tesoura da caixinha
Corta logo assim que vem

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=202211

 

antes o amor do que qualquer dor
um é opção para o coração
o outro, inevitável condição censurável
mas sem amargor não se almeja doce sabor

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=202054

 

vertente verve
vocifera verdades
vaidade ferve

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=201779

 

Há ratos nos meus sapatos*
orelhas cobertas de teias
esses chatos pego no ato
com arteiras ratoeiras

*Titãs, claro

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=201992

 

Pelos desejos velejo
Ânsias marítimas íntimas
E nesse ocaso trovejo
Salpicam gotículas ínfimas

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=201825

 

Como é breve nossa existência
Passando a maior parte dela
Deslumbrados em reverência
À luz de estrelas eternas

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=201646

 

Deixo pegadas
Minha trilha apagada
Compartrilhada

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=201584

 

Lábios cerrados
Coração transbordante
Olhar dançante

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=201621

 

Belo recado
Mesmo tristonhos sonhos
Serão amados

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=201419

 

Pra que tanta dor?
Morrer de tanto sofrer
ou viver o amor?

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=201346

 

Por toda vida
Fez do carinho ninho
Tez aquecida

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=201296

 

Assim é o amor
Saudade bate e arde
Ninho combustor

 

Imperfeito amor
Receita que deleita
Sal traz mais sabor

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=201271

 

Sacro sepulcro
Pelas lápides versos
Brotam dos sulcos

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=201147

 

ecos de passos
corre a mão no corrimão
adentra o quarto

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=200547

 

flor e raiz
bela a esconder fera
solo e cicatriz

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=200423

 

Guardo todo adeus
Num caixão em meu porão
Chaves só com Deus

 

Sonhos feridos
Cadeados partidos
Choro contido

 

Dedos saudosos
Som de doces delícias
Carícias no tom

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=200403

 

recomeçar de bem com a vida
traz leveza ao caminhar
aspereza nem é sentida
pelos pés a flutuar

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=200340

 

tudo é ilusão
choros, risos e sonhos
pão do coração

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=200056

 

fome nos campos
rostos mortos, jazigo
planto sorrisos

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=199646

 

fermento no pão
massa assada cresce
sabor de paixão

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=199670

 

ventos uivantes
últimas lágrimas
leva adiante

 

a lua ardia
a cotovia canta
o sol levanta

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=199566

 

Suas palavras trazem coragem
Mesmo ao mais sinistro coração
Hesitante em seguir viagem
Recomeça a estrada da paixão

http://aloamor.blogspot.com/2011/09/recomecar.html

 

Não, não morra, não
Morrendo, eu choraria
E teu coração
De novo brotaria

 

Conserto para teclado

tecladistas dão seus últimos acordes
nessa sinfonia desconcertante
não é o peso do piano que faz fortes
as emoções que nos tomam dançantes

 

daki

Palpite

Meu coração palpita sem parar
Palpita que seremos muito felizes
Homem e mulher felizes a se amar
Reconstruindo sonhos sem deslizes

Rapidinho

passo aqui rapidinho
para lhe deixar um beijo
tascado com muito carinho
para alimentar nosso desejo

(para Claudia)

Última Fornada

lindo poema
tempo lento não tema
sinta o vento

daki

 

Senhora Lua
Ilumina a trilha
Traze-me à tua

daki

 

sopros de musas
almas alçando vôo
em doces brisas

daki

 

brisa gostosa
após temporal do mal
traz uma rosa

daki

 

Mãos dadas cruzam
Estrada arriscada
Sorte abusam

daki

 

Nesse oásis há uma fonte
Donde água brota profusa
Quem dela bebe pleno muda
Dá confiança aos viajantes

daki

 

leitor faminto
cativante cativo
dou pão de trigo

daki

 

papel de bombom
amassado no chão
amasso tão bom

daki

 

Palavras soltas
Vento lento as leva
Semeia e molda

daki

 

Chá de cidreira
Doce gole acolhe
Rimas arteiras

daki

 

Tímido saiu
De trás d’escuras brumas
Sol lento sorriu

daki

 

em mundo insano
dava razão à razão
ledo engano

daki

 

uma voz atroz
se calou e suavizou
só amor e paz

daki

 

desliza paixão
sobre corpos amorfos
manteiga no pão

daki

 

Anjo poeta
Da pena poema cai
Asas abertas

daki

 

Não achei que assim seria. Pensei que só de dores e poemas em sangria viveria. Mas parece-me que estancou e cá estou eu a falar da flor…

daki

 

suspiros tenho
também sonhos risonhos
bom ser padeiro

daki

 

solidão sem fim
meu amigo umbigo
não vive sem mim

daki

 

Aqui registro
Gratidão de antemão
Nunca desisto

daki

 

Sonha morena
Receita que deleita
Doces fonemas

daki

 

com sangue e dores
desenho à mão no chão
bouquet de flores

daki

 

clamor da noite
me chama para a chama
amor sem corte

daki

 

Canto infindo
De um coração na mão
Musa ouvindo

daki

 

faz bela rosa
pedras sorrir e partir
queda ruidosa

daki

 

Obscura rua, sempre deserta
Todos desviam de seu caminho.
Pelo lado bom, placa alerta:
“Sem trânsito, passe rapidinho!”

daki

 

Pão bolorento
Perfeita receita pra
Doce lamento

daki

 

Calada lua
Luz ao silêncio conduz
Amor mergulha

daki

 

Musa suspira
Suada lágrima cai
Inspira haicai

daki

 

Brilho intenso
Em versos que condenso
Emerso filho

daki

 

Tenho comigo sobrando
Alguma sanidade
Tendo felicidade
Podemos fazer escambo

daki

 

triste marujo
da sina que fascina
leitores mudos

daki

 

Homens ilhados
Lançam garrafas ao mar
Peixes bêbados

daki

 

dinheiro na mão,
fim da solidão enfim:
calcinha no chão

daki

 

Longa viagem
Percalços na estalagem
Passos em falso

daki

 

massa perfeita
receita para sabor
de pão com bolor

daki

 

Teia tecida
Sutil beleza mortal
Ceia servida

daki

 

De sol ou lua
Amores pintam cores
Branca luz nua

daki

 

Vários espelhos:
Uma mulher em cada.
Só, espelhada.

daki

 

Pessoas partem
Poemas percorridos
Palavras perdem

daki

 

Desigual furor
Espadas versos chifres
Jaz toureador

daki

 

Perdão, amigos
Canção deste coração
Fica comigo

daki

 

Desejo em flor
Labios como pétalas
Olhos de amor

daki

 

Rubro chafariz
Seco, enferrujado
Cicatrizado

daki

 

Doce recheio
Sem: sonho medonho
Com: devaneio

daki

 

Fonte profusa
Jorra sem fim sobre mim
Cantos das Musas

daki

 

Vejo que aderiste
À onda do poementário*
Que em discurso ordinário
Prosa morra triste

* neologismo por Caito
daki

 

Mensageiro de amantes
Portador de notícias
Porta dôr e delícias
Vai carteiro adiante

daki

 

nem um minuto
haikai leve breve sai
fica, contudo

daki

 

Precisa de mim?
Quer versos ou reversos?
Paz se faz assim.

Lido mas não entendido. Perdão, rebati de imediato quando li o título, sem entender o propósito exato. Nesse caso:

Escrevo porque a vida bate forte e revido.
Também escrevo quando vejo tantos carentes de pão.
E por gratidão.

daki

 

Quanto mais como
Mais fome tenho
Mais sono tenho
Quanto mais durmo

daki

 

Vim vi venci
Convenci arrependi
Vacilei perdi

daki

 

cadenciado encadeamento de sentimento setenciado

daki

 

Que tal com haicai?
Qual o mal em pão de mel
Que da pena sai?

daki

 

Tempo amigo
Desfaz sombras, traz pombas
Ando contigo

daki
e daki

 

Versos plantados
Germinam: dores minam.
Colhem amados.

daki

 

Uma sereia
Mar que canta encanta
Traz à areia

daki

 

Haicai cai como
luva de luta de box
Potente soco

daki

 

Lua cansada
Colheita acolhida
Sol na enxada

Lavrador dorme
Cansado descasado
Sonho disforme

daki

 

Cá poeta jaz
Imolado em fado
Belezas fatais

daki

 

Massagista para todas dores,
Ocupado em nobre ofício
Quem te acode em hora difícil?
Coração parado por amores…

daki

 

Sabor de língua
Liberada letrada
Poema singra

daki

 

Trigo moído
Moldado em poema
Amor sentido

daki

 

poesia de verdade vem da dor, saudade ou ardor. Enfim, necessidades. Quem já tem o que precisa não sente necessidade de cantar, de desabafar.

Logo, poesia não é profissão, é necessidade. Se conseguir ganhar algo material com isso, tanto melhor para ti. Mas a História registra que todo grande poeta assim hoje conhecido em sua época ganhava a vida com outro ofício. Ninguém se lembra do que eles faziam, mas de seu deleite das horas livres todos lembram e reverenciam.

daki

Massagista

Massagista para todas dores,
Ocupado em nobre ofício
Quem te acode em hora difícil?
Coração parado por amores…

daki

Postado do WordPress para Android

Plantação

Vívida cena campestre
Plantada na memória
Brotada em história
Colhida por pedestres

daki

Postado do WordPress para Android

Carteiro

Mensageiro de amantes
Portador de notícias
Porta dôr e delícias
Vai carteiro adiante

daki

Postado do WordPress para Android

Reflorestamento

Quem sabe de versos assim plantados
Poética geração brote e floresça?
Possamos sonhar com rica floresta
Em lugar de toscos campos queimados…

 

daqui

Razões

A irracionalidade das paixões
Enxugar gelo até nada sobrar
Soprar velas sem o barco andar
Briga de cabeças e corações

 

 

daqui